Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2018

O oposto do amor não é o ódio – é o discurso

Imagem
Texto escrito pela Psicóloga Jóice Bruxel: O oposto do amor não é o ódio – é o discursoEu sempre defendi piamente que ooposto do amor não é o ódio, e sim a indiferença. E eu ainda concordo totalmente com essa teoria, mas há alguns dias atrás, quando eu li o relato de uma pessoa sobre o seu relacionamento abusivo, eu pude entender que nem sempre se trata somente de indiferença explícita – às vezes também se trata de discurso.Por que o oposto do amor não é o ódio?O ódio não é o oposto do amor, porque enquanto você odeia algo, você mantém uma ligação com o objeto (neste caso, com uma pessoa, porque eu estou falando de seres humanos). Quando você odeia uma pessoa, você está conectado a ela. Você deposita energia nela. Você pensa nela. E provavelmente isso lhe cause desconforto, mal estar, dano. Tem uma frase do Herman Hesse, que diz o seguinte: “Se você odeia alguém, é porque odeia alguma coisa nele que faz parte de você. O que não faz parte de nós não nos perturba”. Pensamentos relaciona…

9 mitos sobre psicólogo e psicoterapia

Imagem
Artigo escrito pela Psicóloga Jóice Bruxel: 9 mitos sobre psicólogo e psicoterapiaVocê sabe  qual é o papel do psicólogo e qual a finalidade da psicoterapia? Ainda existem muitas crenças equivocadas sobre a psicologia,  e muitas pessoas ainda têm preconceito em relação aos cuidados do psicólogo e sobre as suas práticas, sendo uma delas, a psicoterapia. Neste texto eu falo sobre 9 mitos sobre psicólogo e psicoterapia, que assim como eu, grande parte dos psicólogos, psicoterapeutas e estudantes de psicologia já ouviram e provavelmente ainda ouvem com uma certa frequência. São eles: 1º mito: Quem vai ao psicólogo é louco Esse é um dos mitos mais frequentes. Em seu contexto clínico, a psicologia surgiu por demandas específicas voltas para questões de desajustes sociais e mentais, porém se modificou ao longo dos anos, e deixou de agir somente na cura, passando a agir também, na prevenção e manutenção. A psicoterapia não trata somente de patologias, ela também auxilia no autoconhecimento, a…

Ampliando o olhar sobre o Suicídio – 4 mitos frequentes

Imagem
Post produzido pela Psicóloga Jóice Bruxel: Ampliando o olhar sobre o Suicídio – 4 mitos frequentessuicídio é uma importante questão de saúde pública no mundo.  Segundo a OMS - Organização Mundial de Saúde estima-se que a cada 40 segundos alguém se suicide no mundo, e a cada 45 minutos, no Brasil.  E segundo as estatísticas, esses números só aumentam. Um tema muito polêmico, e ainda um tabu em muitos aspectos.  O suicídio é um assunto perturbador, tanto para as pessoas em geral, quanto para os profissionais que atuam na prevenção e no acompanhamento de pacientes com ideação e/ou tentativas de suicídio.Mas por que (e a quem) o suicídio perturba? O suicídio perturba porque temos dificuldade em compreender o que se passa na cabeça e quais os motivos para uma pessoa tirar a própria vida. Perturba porque existem muitas coisas que antecedem o suicídio. Como a depressão, por exemplo. O desespero. A solidão. A luta e a guerra interna. Os sinais, que deixamos passar, que não vimos ou não val…

Pais superprotetores criam filhos inseguros – Entenda as consequências!

Imagem
Artigo produzido por Psicóloga Jóice Bruxel: Pais superprotetores criam filhos inseguros – Entenda as consequências!Afinal de contas, o que é superproteção? Não podemos confundir proteção com superproteção. A proteção é saudável e vital aos filhos, enquanto a superproteção é algo danoso, pois superproteger é ir além da satisfação das necessidades e cuidados necessários. Cuidados excessivos, se não dosados e equilibrados, podem virar uma síndrome obsessiva, o que pode afetar o relacionamento e o sistema familiar. Desta forma, superproteger é viver pelo filho. É impossibilitar o seu próprio desenvolvimento, falar por ele, decidir por ele, solucionar os seus problemas. É anular a sua autonomia, e de certa forma, aprisioná-lo em suas próprias escolhas, decisões e frustrações. Podemos definir a superproteção como um movimento contrário à educação para a independência e liberdade. A superproteção é uma privação da tentativa de acerto e também de erro. Assim como também, uma privação do cre…

Quando o espelho machuca – e porque muitos lucram com a sua baixa autoestima

Imagem
Post produzido pela Psicóloga Jóice Bruxel: Quando o espelho machuca – e porque muitos lucram com a sua baixa autoestimaVocê está muito magra, deveria engordar um pouco, seu rosto parece uma caveira, parece estar doente. Você está doente? Quem gosta de osso é cachorro”. - "Você é tão bonita de rosto, por que não emagrece? Tem que se cuidar, fechar a boca. Só não emagrece quem tem preguiça e não quer. Já pensou em fazer bariátrica? Ou tomar óleo de coco? Tenho uma amiga que perdeu 10 kg em uma semana comendo normal e tomando óleo de coco, guria! Juro.”. - "Por que você está tão forte? É muita bomba, né? Malha as pernas também, você está parecendo um funil." - “Você é tão magro que parece um frango. Acho que você deveria puxar um ferro de vez em quando.” - "Nossa, você quase não tem peito. Por que não coloca silicone? Hoje em dia, ‘quase todo mundo tem’. Nenhum decote fica bom se você não tem peito”. - "Você é muito peituda! Imagina quando você tiver filhos... …

A minha experiência com a depressão – e o que você pode aprender com isso

Imagem
Originalmente publicado pela Psicóloga Jóice Bruxel: A minha experiência com a depressão – e o que você pode aprender com issoDepressão é frescura. Você não está doente, você é preguiçoso! Quantas vezes você já ouviu essa frase (ou outras similares)? Quantas vezes você precisou engolir comentários maldosos e totalmente sem conhecimento, de pessoas que acreditam ter certeza, do que elas não fazem a menor ideia? Do fundo do meu coração, eu espero que você que está lendo este texto, não seja uma das pessoas que replicam esse tipo de fala, mas se for, continua lendo, porque você sim está doente e foi picado pelo mosquitinho da ignorância, e pra ser curado meu (minha) caro (a), só com doses cavalares de conhecimento (e alguns "puxões de orelha"). E pra você que não replica esse tipo de frase e também nunca teve depressão, eu recomendo doses extras de empatia... Porque se você ainda não teve ou conviveu (o que eu acho pouco provável), em algum momento você irá conviver com alguém …

Perdoar não é esquecer: é se livrar de pesos que não são seus e seguir em frente

Imagem
Artigo escrito pela Psicóloga Jóice Bruxel: Perdoar não é esquecer: é se livrar de pesos que não são seus e seguir em frenteVocê tem o hábito de perdoar ou é um colecionador de mágoas, daquelas pessoas que vivem revivendo fatos/sentimentos/decepções? Aliás, você sabe o que é o perdão? Como você o define e como você o pratica? Você acha que o perdão tem a ver com você, ou com o outro? Neste texto, eu darei uma opinião pessoal sobre o assunto.O perdão não é livre de consequências!  Muito se fala em perdoar, mas acredito que existam muitos significados particulares para o tal chamado “perdão”. Eu particularmente não consigo ver o perdão como uma forma de amnésia momentânea. Perdoar não é esquecer. Perdoar é aprender a lidar, é deixar de gastar tempo e energia com fatos e pessoas que não valem a pena, é seguir em frente e se livrar de pesos desnecessários e que não são seus. Sempre me incomodou muito (e ainda incomoda) a visão de que se você perdoa uma pessoa, você precisa manter ela por …

Vínculos familiares não são necessariamente de amor – Um relato real

Imagem
Post produzido pela Psicóloga Jóice Bruxel: Vínculos familiares não são necessariamente de amor – Um relato realUm breve relato sobre uma história de não amor real: Vou começar este texto relatando um desabafo. O nome utilizado aqui é um nome fictício, para a preservação da identidade de minha paciente (que permitiu que eu escrevesse este texto). Fernanda, em uma das nossas sessões, muito ansiosa e desconfortável, trouxe uma questão, que segundo ela, estava engasgada em sua garganta há muitos anos: o fato de não sentir amor pela mãe. Vou relatar o relacionamento com a mãe de forma breve, apenas para contextualizar: Fernanda não conheceu o pai, após nascer, sua mãe a deixou com a avó, pois queria curtir a vida e a juventude, e acreditava que isso não era possível ao lado da filha, pois a considerava um atraso de vida. Ela não foi desejada por sua mãe, mas foi desejada por sua avó, e inclusive foi a avó que não permitiu que ela fosse abortada.  Fernanda passou muitos anos sem ver a mãe …

Não reprima os seus sentimentos: chorar é para os fortes!

Imagem
Post produzido pela Psicóloga Jóice Bruxel: Não reprima os seus sentimentos: chorar é para os fortes!Frieza, insensibilidade, falta de empatia. Egoísmo, egocentrismo, frustração, amargura. Medo, ansiedade, angústia. Corações partidos e esgotados de muitos vazios. Tempos modernos. Falta de tempo. Vida. Morte. Morte em vida. Vida insensível. Invisível. Soa familiar, pra você? Eu tenho certeza que você consegue relacionar muitos aspectos que eu citei acima com muita gente, inclusive com você mesmo. Mas já que estamos falando sobre você, eu gostaria que você refletisse e respondesse para si mesmo: alguém já lhe mandou engolir o choro? É bem provável que a resposta seja “sim”, e se você for homem, a probabilidade é maior ainda. Porque obviamente, homem que é homem não chora, não é mesmo? Se você achou que eu estava falando sério, me perdoe por lhe desapontar, mas homem que é homem chora sim, chora mesmo, tem alguns, inclusive, que quase desidratam de tanto chorar. Assim como muitas mulhere…

O lado B da agressão – Mulheres contra mulheres!

Imagem
Post produzido pela Psicóloga Jóice Bruxel: O lado B da agressão – Mulheres contra mulheres!Muito se fala em agressão, nos dias de hoje. Agressão física, verbal, moral, emocional, não importa. Ou melhor, importa (e muito), e é justamente por isso que o tema vem ganhando cada vez mais espaço, à medida que muitas pessoas agredidas estão ganhando voz e sendo encorajadas a não mais se calar. Tanto profissionalmente, como pessoalmente, frequentemente ouço relatos dos mais variados tipos de agressão. Alguns casos chegam até a dar um nó no estômago. Porque não, não é (e nunca será) fácil lidar com o sofrimento humano. Às vezes ouço alguns relatos tão revoltantes que quase penso em desistir das pessoas, mas aí eu lembro que existem pessoas que precisam de mim e precisam de ajuda, e então eu simplesmente sigo em frente. Por amor, fé, e uma pontinha de esperança. Uma das coisas que eu percebo que é comum em muitos destes casos é a culpabilização de quem é agredido, como se o agressor só tivesse…